O que fazer quando digo para mim mesmo “Quero desistir…”

Perante as dificuldades nas disciplinas que não se consegue fazer com sucesso, nos trabalhos que não correm bem, na investigação que não parece chegar a lado algum… “quero desistir”. Quantas vezes não vi isto na cara de alguns alunos. Quantas vezes não poderá alguém ver isso quando se olha ao espelho. Quem pensa em desistir procura uma solução. Uma resposta. E eu acredito que essa existe: não desistir, mas persistir.

Não desistir, mas persistir. Como?

Quando as coisas não correm bem, pensamos em desistir. Mas quando questionamos “desistir de quê?” ocorrem-me três possibilidades. Ou desistimos das coisas certas e isso é bom. Ou desistimos “de tudo!” Porque nos sentimos num grande buraco com paredes lisas e mão escorregadias. Ou então, queremos desistir “em parte” e isso significa que ainda resta uma esperança de que o sucesso está ao nosso alcance.

Em primeiro lugar é importante identificar as razões. Se dizes “por mais que faça, nada resulta” importa perceber porquê. Será o cansaço físico porque não dormes as horas suficientes, ou a tua vida é demasiado sedentária e precisa de exercício? Será um cansaço intelectual, de tal modo que já não tens cabeça para pensar, tudo está confuso, o tempo aperta, e o stress é grande? Ou será antes um cansaço emocional porque demasiadas coisas estão a acontecer ao mesmo tempo na tua vida e as emoções começam a ser difíceis de gerir?

Pode ser que já não tenhas vontade de continuar a lutar por ser mais forte e fácil resistir, e perder, que persistir e vencer. Ou então, a vontade é resignar e dizer para ti mesmo que não vale pena, assumindo que a alma é pequena (ao contrário do ditado popular). Bom, é muito importante saber lidar e ultrapassar este desafio do “quero desistir”. Resta saber como…

Atitudes Interiores para não desistir, mas persistir

Não há receitas. Há quem dê, simplesmente, um salto de fé e acredite ser possível. Lembro-me de ir para um exame de Máquinas Elétricas e dizer para mim mesmo “vou para chumbar”. Mas o facto de ir, era para mim um passo na direcção de não desistir. A única preparação tinham sido as aulas que fui assiduamente e o pouco que tinha conseguido ver da matéria. Curiosamente nesse exame os professores foram brandos e “simpáticos”, de tal modo que acabei por ter um 15! Aprendi a lição. Há quem reaja a “quero desistir” com optimismo e trabalhando duas atitudes interiores. 1) Mudar o tipo de pensamentos de negativos para positivos; 2) não aceitar desistir e trabalhar a vontade de lutar e seguir em frente. Mas nem todos somos assim. É preciso algo concreto e esta é a minha proposta:

RECOMEÇAR

Recomeçar pode ser o segredo para ultrapassar o “Quero desistir…” por 3 motivos.

 

1. Olhos novos

Recomeçar significa desenvolver a capacidade de ver tudo com olhos novos como se nada tivesse acontecido antes. É a arte de pôr em prática um novo olhar sobre aquilo de que somos capazes, e sobre as coisas como se as vivêssemos pela primeira vez. Sê actor no teatro da vida e a vida fará de ti realizador.

2. Passo a passo

Recomeçar é encetar num caminho feito de pequenos e simples passos. E, persistindo nesses passos, continuar a caminhar e chegar à meta do sucesso desejado. Pode ser uma assiduidade que antes não existia. Pode ser iniciar um hábito diário. Ninguém caminha com passos irregulares, logo, pensa que aspectos regulares podes introduzir na tua vida. A criatividade não tem limites.

3. Sempre

Saber que podemos recomeçar sempre. Sempre. Quando cairmos na mesma espiral que nos leva ao desentusiasmo e a dizer “quero desistir”, basta saberes que podes recomeçar sempre. Logo, em vez de pensares “quero desistir”, vai até um espelho e diz em voz alta a ti mesmo “quero recomeçar”. Encontras aí um gesto de não desistir, mas persistir.


QUESTÃO: Por onde vais recomeçar hoje? Decide e partilha para inspirar outros a recomeçar também.

Professor Universitário e Investigador do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade de Coimbra.