A Curva do Esquecimento e como lidar com ela

Duas estratégias para reter melhor a matéria ao longo do processo de aprendizagem

Ouviste alguma vez falar da Curva do Esquecimento de Hermann Ebbinghaus? Este psicólogo do século XIX estudou a forma como retemos na memória aquilo que aprendemos e verificou que podemos esquecer 90% do que aprendemos num dia em apenas uma semana. Já pensaste nas implicações que isso pode ter para o processo de aprendizagem em cada aula?

Eu não era uma pessoa de estudar regularmente. Usualmente deixava o estudo para o período dos exames e, por causa disso, tinha muitas dificuldades e vivia um grande stress. Embora soubesse da importância de estudar regularmente, não houve ninguém que me ajudasse a entender porquê e o que podias fazer por isso.

É por esse motivo que hoje tens esta plataforma, bem como outras, onde o acesso à net se torna uma fonte de informação que te ajuda a melhorar substancialmente o processo de aprendizagem. No caso da Curva do Esquecimento de Ebbinghaus, a solução passa por rever a matéria regularmente, ou seja, estudar regularmente, todos os dias. Assim, de cada vez que revês o que aprendeste, a retenção na memória aproxima-se de novo dos 100% e a capacidade de reter aumenta. Neste caso, o KeepUp é uma ferramenta que favorece a organização do tempo diário para trabalhar essa parte, mas não se foca no conteúdo. É sobre isso que gostaria de explorar hoje contigo.

Rever a matéria dada é muito importante para a reter na memória e ajudar na articulação de conhecimentos. Para isso é essencial estruturar aquilo que aprendemos. Gostaria de te partilhar 2 estratégias: o mindmapping; e o outline.

 

Estratégia 1: Mindmapping

A primeira estratégia consiste em construir um mindmap para a disciplina e, se possível, para cada aula. Um mindmap é uma rede de relações entre diversos pontos-chaves. Começa por haver um tema central. Depois, a partir desse tema surgem diversos aspectos relacionados que são expressos com poucas palavras, e para alguns desses poderão surgir ainda mais aspectos. É muito importante “deitar tudo cá para fora” sem te preocupares com estrutura, ou organização.

Se no tempo de estudo definido para cada disciplina por dia fizeres este mindmap da aula é uma forma de deixar feito um passo importante para rever no futuro. O resultado final pode parecer confuso, como se fossem neurónios ligados entre si. Porém, apenas o mindmap é insuficiente. É importante chegar à próxima estratégia.

Estratégia 2: Outline

A segunda estratégia consiste em fazer um outline a partir do mindmap. Ou seja, é como identificar numa floresta agrupamentos de árvores semelhantes entre si. Uma vez identificados, cada tópico que esteja próximo do tema central é um cabeçalho de alguns items a esse ligados no mindmap, construindo, assim, um outline.

Um outline é um modo mais organizado da informação que podemos usar para rever a matéria e usar na organização do calendário de estudo através de exercícios sobre alguns dos tópicos, ou aqueles que percebemos menos.


A forma de lidar com a curva do esquecimento é relembrar regularmente, em tempos espaçados, aquilo que aprendemos. Talvez ajudasse haver um calendário onde registasses o percurso do teu estudo, para além da organização do tempo. O que achas?

Questão: achas que seria útil teres uma forma de calendarizar o estudo, além do KeepUp que te ajuda a organizar o tempo? Deixa a tua opinião e experiência nos comentários.

Professor Universitário e Investigador do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade de Coimbra.