A vantagem cognitiva da prática deliberada

Como a prática afecta o teu cérebro

Dizem que “a prática faz a perfeição”. De facto, a razão pela perfeição que vemos de movimentos num atleta olímpico está numa prática deliberada. Aliás, uma vez ouvi que para ser especialista em alguma coisa bastaria estudar 3h por dia de matéria nova durante 10 anos. Mas será que realmente funciona? Sim. Mas o que não sabia é que não se trata de um resultado somente pedagógico, mas biológico, e a responsabilidade está na mielina.

mielina e a prática deliberada

O que acontece no cérebro quando pensamos

Um dos aspectos fundamentais a saber sobre o nosso cérebro é a sua plasticidade. Ou seja, de cada vez que aprendemos alguma coisa nova esse liga-se de forma diferente a um nível mais profundo. Ao contrário do que pensava, ou pensa ainda a maioria de nós, não há um declínio inevitável das nossas capacidade cerebrais a partir de uma certa idade.

 

A neuroplasticidade do nosso cérebro mostra o contrário, sobretudo em estudos realizados em pessoas com idade avançada (TK). O que a prática deliberada faz é estimular a actividade cerebral através de um processo designado por mielinização. O filme abaixo ilustra um pouco o que se passa.

 

A actividade cerebral depende da transmissão de impulsos, sinais, entre os nossos neurónios. Esses ligam-se por “cabos” chamados axónios. Os impulsos nervosos são cargas eléctricas que “viajam” na cadeia de neurónios. A mielina é uma substância que aumenta a velocidade e fortalece a passagem desses impulsos. Caso contrário, como o filme ilustra, a transmissão fica mais lenta.

 

 

 

A prática deliberada estimula a mielinização

Costuma-se dizer que as crianças são umas “esponjas” quanto à capacidade de absorver informação. Isso expressa o facto da mielinização ser um processo natural. Ao envelhecer, o ser humano continua a gerar mielina, mas a uma taxa inferior e que exige mais esforço.

 

Se praticarmos actividades intelectuais, por exemplo, ler um livro, aprender uma longa nova, estudar uma matéria que nos é desconhecida, estimulamos padrões de impulsos entre os neurónios que, em última instância, estimularão as células responsáveis pela produção de mielina a gerá-la.

 

A verificação deste processo tem sido feita em estudos com músicos onde a prática deliberada é fundamental. Observou-se uma clara e directa correlação entre o número de horas de prática é a densidade de mielina presente no cérebro.

 

Não chega a quantidade de vezes que praticamos

Porém, há quem possa pensar que basta praticar muito e, assim, mielinizamos o cérebro para melhorar a nossa capacidade de aprender. Não chega. Igualmente importante é a qualidade dessa prática deliberada. Se praticamos muito, mas desconcentrados, sem foco, acabamos por não desenvolver a capacidade que desejamos.

 

Não chega um atleta praticar muito, se o movimento que faz muitas vezes não está correcto. Por vezes não é preciso estudar muito, mas frequentemente e bem. Agora, sabes que o resultado dessa prática é natural e acontece sempre.


Questão: qual a maior dificuldade que experimentas ao praticar deliberadamente?

 

Professor Universitário e Investigador do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade de Coimbra.